terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Comil inicia primeira turma de Aprendizagem Industrial para pessoas com deficiência


Responsabilidade Social

Em: 25/02/2013





A Comil inicia em fevereiro, em parceria com o Senai, as aulas da primeira turma de Aprendizagem Industrial voltada a pessoas com deficiência. Os alunos podem ser contratados pela empresa ao final do programa, que tem duração de 10 meses e formará auxiliares de Linha de Produção.

“Este não é apenas mais um curso. Queremos oferecer uma oportunidade para essas pessoas terem acesso ao mercado de trabalho de forma igualitária. Eles serão realmente capacitados para assumir funções na empresa”, afirma a Gerente de Recursos Humanos Adriana Menegatti.

Os alunos foram selecionados através de um curso ministrado pelos profissionais da empresa no projeto Trabalhar é um direito de todos: inclusão da pessoa com deficiência intelectual no mercado de trabalho, realizado em parceria com o Mesa Brasil, nas entidades APAE e Albano Frey. O público alvo são jovens acima de 18 anos com deficiência intelectual.

As aulas ocorrem na sede da empresa em Erechim (RS), onde a Comil montou o Centro de Educação Profissional Comil em março de 2011. O centro tem como objetivo a formação profissional de jovens aprendizes e a capacitação técnica dos funcionários. O espaço possui salas de aula, laboratórios e equipamentos necessários para o desenvolvimento das atividades práticas.
 
Comil é reconhecida como formadora de mão-de-obra na região de Erechim
 
A Comil  é tradicionalmente reconhecida como formadora de mão-de-obra na região de Erechim.  A empresa mantém  parceria com o Senai desde a sua fundação. Nesse período, ofereceu na capacitação gratuita a centenas de profissionais através do curso de Montadores de Veículos Automotivos. A cada dois anos, a empresa abre suas portas para uma nova turma de jovens que almejam ingressar no mercado de trabalho.

Rodrigo Morona usou o aprendizado no curso para iniciar uma carreira promissora na Comil. Hoje com 30 anos, acaba de assumir o cargo de supervisor do setor Ar Condicionado. “Sempre temos que almejar mais. Meu objetivo é chegar ao cargo de gerência. Para isso não podemos estagnar, é preciso estar sempre estudando”, diz Morona, que fez o curso de Mecânica no Senai aos 16 anos e foi contratado inicialmente como montador. Além de abrir as portas da Comil, o curso também o incentivou a continuar estudando. Depois de se formar em Administração, Morona agora cursa pós-graduação em Engenharia de Produção.

Em 2012, cerca de 60% dos alunos que concluíram o curso foram efetivados pela própria empresa. “Ao mesmo tempo em que nós damos uma oportunidade para os jovens que querem seguir carreira nesse setor, estamos capacitando pessoas qualificadas para a Comil e oferecendo o primeiro emprego para muitos deles. A nossa intenção é contratar sempre todos os alunos, assim que completam 18 anos”, afirma a gerente de RH, Adriana Menegatti.

O curso é aberto para toda a comunidade, mas a maioria dos alunos é filho ou parente de funcionários da própria empresa. Lenise Todescato Cavalet, que completou 18 anos em novembro, foi efetivada como funcionária do setor de Preparação de Chassi assim que finalizou o curso. Ela se espelhou no pai e no irmão, funcionários da Comil, para ingressar no curso. “Eu não tinha noção nenhuma sobre o assunto. O curso me deu essa preparação, foi muito interessante. É uma ótima oportunidade para jovens que não tem condições de pagar por um curso como este”, disse.

Com duração de dois anos, o curso oferece bolsa-auxílio, transporte e plano de saúde aos alunos. O principal diferencial da escola Senai/Comil é proporcionar ao aluno uma visão mais próxima da realidade da indústria, colocando-os em contato com os processos de fabricação do ônibus e suas tecnologias.

Fonte: Comil

DF - Governo assume gestão do Grupo Amaral no DF

Segunda, 25 Fevereiro 2013 16:08
Click to enlarge image FOTO_PEDRO_VENTURA_5.JPG
Click to enlarge image FOTO_PEDRO_VENTURA_5.JPGClick to enlarge image FOTO_PEDRO_VENTURA_5.JPG
Click to enlarge image FOTO_PEDRO_VENTURA_5.JPG

Governo assume gestão do Grupo Amaral no DF
Foto: Roberto Barroso

  Leandro Cipriano, da Agência Brasília


Medida inédita em Brasília atinge a Rápido Veneza, a Viva Brasília e a Rápido Brasília. O objetivo é garantir transporte público seguro e de qualidade, além de assegurar os direitos trabalhistas dos funcionários das empresas

O Governo do Distrito Federal adotou uma medida inédita na capital federal para assegurar um transporte público coletivo de qualidade. Nesta manhã, o governo assumiu a gestão das empresas de ônibus Rápido Veneza, Viva Brasília e Rápido Brasília, integrantes do Grupo Amaral. Coordenada pelo governador Agnelo Queiroz, a ação foi decretada e publicada no Diário Oficial do DF desta segunda-feira (25). "O objetivo é restabelecer o funcionamento regular de toda a frota, oferecer um transporte público seguro e garantir os direitos trabalhistas dos funcionários dessas empresas", afirmou Agnelo Queiroz.


As três empresas operavam as linhas de São Sebastião, Paranoá, Itapoã, Planaltina, Sobradinho e Plano Piloto. Juntas eram responsáveis pelo atendimento de 2,44 milhões de pessoas por mês. No entanto, o serviço estava deixando a desejar há mais de um ano. Atualmente, apenas 40% da frota estava em circulação, ou seja, dos 446 ônibus registrados no Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans), somente 186 estavam nas ruas na sexta-feira (22), quando foi realizada operação pelo órgão. Além disso, foram identificadas outras infrações técnicas. Entre elas, a descaracterização de cinco ônibus que deveriam trafegar apenas no DF, para também atender o Entorno.


Quebra de acordo – A medida de assumir a gestão das empresas foi o último recurso adotado pelo GDF, após esgotadas as chances para que o serviço fosse ofertado integralmente. Em julho do ano passado, o Grupo Amaral firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). No entanto, várias cláusulas foram descumpridas. Entre elas, o aporte de R$ 880 mil mensais para restabelecer o equilíbrio financeiro das empresas; e a manutenção de 95% das viagens previstas com, no mínimo, 350 veículos nas ruas. Atualmente, apenas cerca de 70% dos itinerários eram cumpridos e menos de 200 ônibus estavam em circulação.


"Demos todas as chances possíveis, e, ainda assim, comprometeram o transporte público e não cumpriram com o estabelecido no TAC. Por isso foi imperativa a decisão de assumir o controle das empresas para evitar um prejuízo maior a população", destacou Agnelo Queiroz.


De acordo com o vice-governador, Tadeu Filippelli, essa ação é essencial para evitar um futuro colapso no sistema de transporte público. "Isso vai permitir a normalidade na operação dessas três empresas e tranquilizar os funcionários quanto ao pagamento dos salários. Todos eles terão seus postos de trabalho preservados. É um sinal claro da contínua mudança adotada pelo GDF no transporte público", ressaltou Filippelli.


Direitos trabalhistas – Segundo o presidente do Sindicato dos Rodoviários, João Osório da Silva, as empresas funcionavam em situação precária, o que motivou duas paralisações dos empregados. "Eles não estavam depositando FGTS nem INSS, e os salários eram depositados com até 20 dias de atraso. Além disso, não estavam pagando os direitos trabalhistas nas rescisões", alertou João Osório. "Essa medida beneficia não apenas os usuários do transporte, mas também aos trabalhadores das empresas", completou.


Gestão das empresas – A partir de agora, o GDF, por meio da Transportes Coletivos de Brasília (TCB) com o apoio do DFTrans, assumirá a gestão administrativa e financeira das três empresas. Para regularizar o funcionamento e colocar os ônibus parados em circulação, o governo destinou R$ 15 milhões. Os recursos vão custear despesas emergenciais, como troca de pneus, manutenção de freios, compra de combustível, entre outros. Cerca de R$ 7,5 milhões já foram remanejados pelo GDF, por meio do DFTrans.


Para o secretário de Transportes, José Walter Vazquez, o momento reflete a transição das antigas práticas para o novo modelo de transporte público coletivo, que está em andamento. "Essa é uma medida para recuperar os ônibus e atender melhor a população, e para isso estamos requisitando os equipamentos das empresas. A ideia é que, entre 10 e 15 dias, já tenhamos um aumento significativo da frota", garantiu Vazquez.


Respaldo legal – O Decreto de Assunção, publicado no DODF desta segunda-feira (25), tem respaldo legal. O documento – que designa a TCB, com o auxílio do DFTrans, como responsável pela gestão das empresas Rápido Brasília, Rápido Veneza e Viva Brasília – é previsto na Lei Orgânica do DF e na Lei de Licitações 8666/1993.


"Agimos agora, de forma firme, com respaldo jurídico, da mesma forma que no início do governo para retomar o controle da bilhetagem eletrônica", lembrou o Agnelo Queiroz.


A medida será adotada pelo tempo que for necessário para assegurar a normalidade do transporte de passageiros nas linhas operadas pelas três empresas, e também para tranquilizar os trabalhadores dessas viações quanto à garantia dos seus postos de trabalho e dos salários em dia.


"Inicialmente, será realizada uma radiografia de todos os documentos encontrados nas empresas. Com base nesses resultados, faremos um planejamento estratégico com a melhor linha de atuação", explicou o presidente da TCB, Carlos Alberto Koch.


Operação – A ação – realizada pelo DFTrans e pela TCB, com o suporte da Polícia Militar do Distrito Federal – para assumir a gestão das três empresas do Grupo Amaral teve início às 7h45, desta segunda-feira (25). Cerca de 50 agentes visitaram, simultaneamente, cinco garagens da Rápido Veneza, Viva Brasília e Rápido Brasília, localizadas em Planaltina, São Sebastião, Paranoá, Sobradinho e no Setor de Oficinas Sul (SOF). Nessa última, onde funciona a central das garagens, a operação contou com a participação do presidente da TCB e do diretor-geral do DFTrans, Marco Antônio Campanella.


Durante a ação, os documentos das empresas que detalhavam as ações dos setores financeiro, administrativo e operacional foram recolhidos pelos agentes do DFTrans. "Fizemos uma requisição de todos os bens móveis e imóveis para garantir um serviço melhor à população atendida por esses ônibus", assegurou Campanella.


"Em uma garagem do grupo no Paranoá, por exemplo, metade da frota estava em manutenção. A empresa reduziu progressivamente o número de ônibus, não obedecendo ao mínimo de carros previsto para atendimento dos passageiros. Estamos nos amparando na lei para fazer essa ação", declarou Agnelo Queiroz.


Uma Comissão Executiva de Ocupação Provisória, formada pelos representantes da TCB e DFTrans, fará o levantamento patrimonial das empresas e assumirá integralmente os serviços. A criação do grupo foi autorizada por decreto, também publicado no DODF desta segunda-feira (25).


Licitação - A operação para assumir a gestão do Grupo Amaral no DF é uma das medidas adotadas pelo GDF para enfrentar os sérios problemas do setor, contrariando os interesses de poderosos grupos econômicos. Pela primeira vez na história da capital federal, está sendo realizada licitação do Sistema de Transporte Público.


"Agiremos sempre, dentro da mais absoluta legalidade, para resguardar os direitos da população do Distrito Federal, em especial o direito ao transporte público de qualidade. É por isso que estamos licitando todo o sistema e fazendo mudanças profundas nessa área", acrescentou o governador. O novo modelo prevê, entre outras mudanças, operação por bacia e não mais por frota, aquisição de ônibus 0km, corredores exclusivos de ônibus e controle dos veículos por GPS.


Das cinco bacias para operação do transporte coletivo que estão sendo licitadas, duas já tiveram resultados homologados e contratos assinados. Isso significa que o GDF não retrocedeu na decisão de modernizar o sistema, mesmo com mais de 120 ações administrativas e judiciais que tentaram parar o processo licitatório.

Fonte: Agência Brasília - GDF
 

Trabalho conjunto da EMTU/SP, Metra e Prefeitura de Santo André vai liberar a ponte da Av. dos Estados


25/02/2013


Em reunião dia 22/02, entre representantes da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU/SP, da Concessionária Metra (operadora do Corredor Metropolitano São Mateus – Jabaquara) e da Secretaria de Transporte e Trânsito da Prefeitura de Santo André, ficou decidido que a partir de segunda-feira, dia 25/02, os ônibus municipais e metropolitanos  voltarão a circular na ponte da Av. Avenida dos Estados que está interditada desde o dia 14/02, no sentido São Mateus – Santo André, por conta do solapamento provocado pelas fortes chuvas dos últimos dias. O trecho Santo André – São Mateus foi liberado pelos engenheiros após uma vistoria técnica para ser utilizada como via de mão dupla por ônibus urbanos. 

Assim, as três instituições trabalharão em conjunto neste final de semana (dias 23 e 24/02) para providenciar a sinalização (vertical e horizontal), instalação  de colunas semafóricas e tachões, a fim de  viabilizar a circulação de ônibus nos dois sentidos. Os automóveis particulares serão desviados do local e os motoristas serão comunicados por meio de faixas instaladas sobre a ponte e no contrafluxo da saída do Terminal Santo André. 

A partir de segunda-feira, dia 25/02, a operação na área será acompanhada pelos técnicos e engenheiros e se houver deformação excessiva da ponte esta operação será novamente discutida. 


Operação das linhas metropolitanas

As linhas que operam no Corredor Metropolitano ABD continuarão a ser operadas nesta área por ônibus a diesel. Neste primeiro momento a operação fica a mesma, mas sem realizar o desvio atual, e será aprimorada nos próximos dias para melhor atender à população.

As linhas 284M São Paulo (Terminal Metropolitano São Mateus) – São Bernardo do Campo (Shopping Metrópole) e 285TRO São Paulo (Terminal Metropolitano São Mateus) – São Bernardo do Campo (Terminal Metropolitano Ferrazópolis) foram paralisadas; 

A linha 284TRO São Paulo (Terminal Metropolitano São Mateus) – Santo André (Terminal Metropolitano Santo André Oeste) opera com frota reforçada para atender os usuários que partem de São Mateus e região e também os passageiros de Santo André  que têm como destino o centro  e a Estação CPTM do município. 

A linha 284TRO permite também a transferência no Terminal Santo André – Oeste, para a linha 286TRO Santo André (Terminal Metropolitano Santo André Oeste) - São Bernardo do Campo (Terminal Metropolitano Ferrazópolis) para aqueles que desejam chegar em  São Bernardo do Campo; 

Os usuários das linhas 284M e 285TRO podem realizar a transferência gratuita para a linha 286TRO Santo André (Terminal Metropolitano Santo André Oeste) - São Bernardo do Campo (Terminal Metropolitano Ferrazópolis), que também foi reforçada, no Terminal Metropolitano Santo André Oeste, e complementar seu deslocamento.

Fonte: EMTU/SP

Governo do Estado avança no licenciamento ambiental de corredores metropolitanos na Grande São Paulo e em Campinas


25/02/2013

Ao todo, serão 56 km de corredores em obras ou em processo de contratação  até o final deste semestre.
 
Dois corredores metropolitanos de ônibus gerenciados pela EMTU/SP, empresa do Governo do Estado de São Paulo, dão um passo importante esta semana em seus respectivos processos de licenciamento ambiental, etapa anterior necessária ao início das obras.
 
Nesta quinta-feira (21/02), foi protocolado na Cetesb/SP o Relatório Ambiental Preliminar (RAP) do trecho Jandira – Osasco (km21) do Corredor Itapevi-São Paulo, subdividido em dois trechos – Jandira-Carapicuiba e Carapicuiba-Osasco, num total de 11km. O procedimento visa a solicitação da Licença Ambiental Prévia. Com a LP, a legislação já permite a publicação do edital para execução de obras. 
 
O trecho Jandira – Osasco (km 21) tem início de obras previsto para junho de 2013 e a previsão de conclusão é julho de 2014. O Governo do Estado investirá R$ 219 milhões no empreendimento.
 
Na próxima segunda-feira (25/02) será protocolado na Cetesb/SP o RAP do trecho Sumaré–Sta. Barbara d’Oeste do Corredor Noroeste, na Região Metropolitana de Campinas, visando a obtenção da LP – Licença Ambiental Prévia. Com 23,7km de extensão, o trecho terá um investimento de R$ 110 milhões. A previsão de início das obras é junho de 2013 e a conclusão está prevista para julho de 2014.
 
Ambos os trechos em fase de licenciamento ambiental fazem parte de um total de 56km incluídos no Plano de Expansão de Corredores de Transporte de Passageiros nas regiões metropolitanas do Estado, onde os sistemas intermunicipais são gerenciados pela EMTU/SP. Esses corredores já estão em obras ou em processo de contratação até o final do 1º semestre de 2013. Além dos citados, faz parte da relação o Corredor Guarulhos – São Paulo, já em seu segundo trecho (Cecap-Vila Galvão). Na Baixada Santista, as obras do 1º trecho do VLT (Barreiros, em São Vicente, até Av. Conselheiro Nébias, em Santos) têm previsão de início de obras em abril.
 
Licenciamento ambiental
 
A legislação de licenciamento ambiental no Brasil prevê três etapas:
 
• Licença Prévia (LP) - deve ser solicitada na fase de planejamento da implantação, alteração ou ampliação do empreendimento. Aprova a viabilidade ambiental do empreendimento e o detalhamento dos projetos, não autorizando o início das obras.
 
• Licença Instalação (LI) - Aprova os projetos e programas ambientais previstos, autorizando o início da obra. É concedida depois de atendidas as exigências da Licença Prévia.
 
• Licença de Operação (LO) - Autoriza o início do funcionamento do empreendimento e é concedida depois de atendidas as exigências da Licença de Instalação.

Fonte: EMTU/SP

TJ suspende liminar que paralisou concorrência para Corredores Metropolitanos da EMTU/SP


25/02/2013

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo suspendeu dia 22/02, os efeitos da liminar que paralisou a Concorrência de Pré-Qualificação nº 002/2012, concedida em dezembro passado por meio de Mandado de Segurança impetrado pelas empresas Construtora Ferreira Guedes S.A. e CETENCO Engenharia S/A. Esta licitação refere-se à Pré-Qualificação das empresas interessadas em participar da futura licitação de contratação de obras para a construção de diversos lotes de Corredores de Ônibus Metropolitanos projetados pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU/SP. A entrega da documentação técnica, jurídica e econômico-financeira está agendada para o próximo dia 07/03 (quinta-feira).

A pré-qualificação está prevista no artigo 114 da Lei nº 8.666/93. O objetivo da EMTU/SP, ao reunir diversos empreendimentos num mesmo processo de pré-qualificação, é selecionar empresas ou consórcios de empresas para participação em futuras licitações, permitindo às empresas interessadas um planejamento mais consistente para atender às exigências do edital de obras, além de possibilitar um melhor nível nas propostas a serem apresentadas.

A Pré-Qualificação nº 002/2012 inclui os Corredores Guarulhos-São Paulo, BRT Perimetral Leste e Corredor Itapevi-São Paulo, na Região Metropolitana de São Paulo, além do Corredor Metropolitano Noroeste, na Região Metropolitana de Campinas.
Fonte: EMTU/SP

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Governo do Estado iniciou segunda-feira (18/02) prospecção arqueológica no 1º trecho do VLT




EMTU/SP fará 450 pontos de sondagem; trabalhos fazem parte do processo de licenciamento ambiental do empreendimento.
Antes das obras necessárias à circulação do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), que têm Ordem de Início prevista para março, a EMTU/SP dará início nesta segunda-feira (18/02) aos trabalhos de prospecção arqueológica ao longo do traçado previsto para o empreendimento em sua primeira fase - Barreiros, em São Vicente, até a Avenida Conselheiro Nébias, em Santos. A previsão é de que as sondagens estejam concluídos até 4 de março.
O procedimento faz parte do processo de licenciamento ambiental e só começa a partir da outorga para execução dos serviços, já concedida pelo Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural (IPHAN). Ao final da prospecção, cabe também ao IPHAN aprovar os trabalhos. A aprovação será encaminhada à Cetesb para concessão da Licença de Instalação (LI) e início das obras.
A prospecção arqueológica consiste em um programa de intervenções no subsolo em locais de maior potencial arqueológico dentro da área de influência direta de um empreendimento. No caso do VLT, a execução será gerenciada pela EMTU/SP.
Dois arqueólogos vão supervisionar as sondagens, a serem realizadas em 450 pontos localizados a cada 25 m na faixa de implantação. Caso sejam encontrados vestígios arqueológicos, o material será resgatado, analisado e encaminhado a estabelecimentos especializados em conservação. Os trabalhos não interferirão no tráfego de veículos, porém, será montado um esquema preventivo com a presença de equipes da Companhia de Engenharia de Tráfego de Santos e da Secretaria de Transporte de São Vicente nos locais onde serão realizadas as sondagens.
Educação patrimonial
O Plano de Prospecção Arqueológica na faixa do VLT também prevê um programa de Educação Patrimonial em conjunto com as Secretarias da Educação dos dois municípios. As atividades incluem palestras e workshops em escolas indicadas pelas Secretarias de Educação dos municípios, tendo como objetivo mostrar a importância do patrimônio arqueológico e aspectos históricos da Baixada Santista.
A assinatura do contrato de execução e a emissão de Ordem de Início das obras do Lote 1, que vai do Terminal Barreiros, em São Vicente, até a Avenida Conselheiro Nébias, em Santos, está previsto para março de 2013, com previsão de conclusão do trecho em março de 2014. O Lote 2 – Conselheiro Nébias – Valongo - tem previsão de início de obras em junho de 2013 e conclusão em julho de 2014. O Plano de Prospecção Arqueológica desse trecho já foi protocolado junto ao IPHAN e aguarda aprovação e emissão da portaria que autoriza o início das sondagens. O primeiro VLT está previsto para começar a circular, em fase de testes, a partir de maio de 2014.

Atualizado em: 18/02/2013 11:33:07

Campos - Tamandaré recebe autorização para voltar a circular

Secom - 21/02/2013 17:07:00


A Empresa Municipal de Transporte (Emut) deferiu parcialmente, o plano de recuperação 
apresentado no início do mês pela Empresa Tamandaré, para que seus ônibus pudessem 
voltar a circular. 
(Foto: Secom)

Por Eduardo Ribeiro

A Empresa Municipal de Transporte (Emut) deferiu parcialmente, o plano de recuperação apresentado no início do mês pela Empresa Tamandaré, para que seus ônibus pudessem voltar a circular. Com isso, a empresa volta a atender aos usuários com uma frota de 17 ônibus, alugados de uma empresa de Minas Gerais. A Tamandaré vai continuar sendo observada pela Emut, para que possa voltar às atividades normais.

Nós resolvemos deferir o pedido de maneira parcial, mas a empresa vai continuar sendo observada, e até o dia 1º de março, deverá apresentar outros 63 ônibus, já que a proposta para voltar a circular era a de que colocaria 80 ônibus nas linhas aonde vinha atuando. Se neste período, a empresa não cumprir com o que foi determinado, vamos abrir um processo de exclusão da empresa do sistema – afirmou o presidente da Emut, Álvaro Oliveira.

Os ônibus voltam a atuar nas linhas de Goitacazes, Ururaí, Parque Saraiva e Bugalho, as últimas nas quais vinha atuando, quando se retirou das ruas de Campos, após uma paralisação de funcionários por falta de pagamento. Neste período, outras empresas assumiram as linhas regulares da Empresa Tamandaré, garantindo o atendimento à população desses bairros.  Os ônibus não têm a logomarca da Tamandaré, mas vão atender aos bairros que tradicionalmente eram atendidos pela empresa.

- A volta da Empresa Tamandaré vai garantir um aumento significativo na oferta de vagas para os passageiros de Campos, liberando as empresas que vinham ocupando essas linhas para o reforço das demais. Não poderíamos negar a oportunidade da empresa se reerguer, mas ela vai ter que provar condições de voltar às atividades normalmente até o final do mês – garantiu o presidente da Emut.

Fonte: Prefeitura de Campos

Campos - Emut publica edital de licitação do transporte coletivo

 Secom - 21/02/2013 16:26:00

A Empresa Municipal de Transporte publicou o edital de licitação para concessão da 
exploração e prestação de serviço de transporte coletivo de passageiros no município. 
(Foto: Secom)


Por Eduardo Ribeiro

A Empresa Municipal de Transporte (Emut) publicou nesta quinta-feira (21), no Diário Oficial do município e nos principais jornais de circulação em Campos e no Rio de Janeiro, o edital de licitação para concessão da exploração e prestação de serviço de transporte coletivo de passageiros no município. A medida vai promover benefícios para a população, garantindo melhoria na qualidade do transporte urbano nos próximos anos. 


A Comissão Permanente de Licitações, através de concorrência pública nº 001/2013, convoca os representantes das empresas interessadas em participar da licitação a se apresentar na sala de reuniões da Comissão Permanente de Licitações da Prefeitura de Campos, na Rua Coronel Ponciano de Azeredo Furtado, 47, Parque Santo Amaro.

Pelo que foi estabelecido em edital, a cidade deverá sofrer mudanças na concessão do serviço, com a divisão dos trabalhos em três lotes, cada um deles com 125 ônibus, todos eles com acessibilidade e média de três anos de fabricação. Na manhã desta quinta-feira, o presidente da Emut, Álvaro Oliveira, informou as mudanças que deverão acontecer, tornando o transporte em Campos ainda mais eficiente.

Álvaro destacou as novidades que vão surgir, com novas linhas e terminais, que vão fazer com que o usuário possa se deslocar por toda a cidade, com uma única tarifa, e sobre a maior eficiência que o transporte vai apresentar com a chegada de novos e modernos veículos, que as empresas vencedoras da concorrência pública deverão apresentar, atendendo as exigências publicadas no edital, que consta de cerca de 900 páginas. O edital está à disposição dos interessados na Comissão Permanente de Licitação.

- Muito em breve a cidade de Campos vai ter um modelo moderno de transporte coletivo. A passagem a R$ 1,00 vai continuar, com uma qualidade superior no trabalho apresentado pelas empresas – afirmou Álvaro Oliveira, confirmando que com o novo sistema a ser implantado, vão acabar as linhas sobrepostas, que segundo ele, concentram hoje a maior parte das rotas dos ônibus de Campos.

Segundo o presidente da Emut, toda a cidade vai ser atendida com a ampliação das linhas, que vão chegar aos novos bairros, passando por itinerários diversificados, aumentando a opção de quem utiliza diariamente o transporte coletivo.

Fonte: Prefeitura de Campos

Litoralbus 12 - Confira as atualizações de Ontem ( 23)

24/02/2013









e muito mais.....

Litoralbus 12
http://litoralbus012.blogspot.com.br/

Equipe Litoralbus

Sorocaba - Todo domingo usuário do transporte coletivo pode pagar R$ 1,00

22/02/2013 16h19 




Da Redação
Agência Sorocaba
Ampliar imagem
Todo domingo usuário do transporte coletivo pode pagar R$ 1,00
Todos os domingos a passagem de ônibus para quem tem o cartão social custa R$ 1,00. A Urbes – Trânsito e Transportes lembra que a redução no valor da tarifa é possível graças ao programa "Domingão", lançado pela prefeitura em dezembro de 2007 e que concede o desconto na passagem aos domingos e feriados.
A Urbes destaca que aqueles usuários que ainda não têm o cartão Cidadão podem se beneficiar em qualquer tempo. É só retirar o cartão nas bilheterias dos terminais urbanos ou em qualquer unidade das Casas do Cidadão, onde é preciso apenas apresentar um documento de identidade e adquirir dois créditos.
O cartão Cidadão é de uso contínuo, ou seja, um único cartão pode ser usado por toda a família durante a mesma viagem. Os créditos são descontados no validador de acordo com o número de passagens pela catraca.
Os técnicos da Urbes orientam os usuários a consultar a tabela horária da sua linha. As consultas podem ser feitas pelo site da Urbes - Trânsito e Transportes e pelo telefone 118.
Fonte: Prefeitura de Sorocaba